Os diferentes conceitos da literatura infanto-juvenil

1. Literatura dirigida às crianças e aos jovens
São todos os livros escritos propositadamente para as crianças.

2. Literatura que não foi escrita para crianças mas que as crianças e os jovens lêem.
Ex.: Atribulações de um Chinês na China, Júlio Verne
A Ilha do Tesouro, Robert Stevenson

3. Literatura feita por crianças
Algumas pessoas acham que esta é a verdadeira literatura infantil. Relativamente  à linguagem, as crianças percebe-na bem. No entanto, a literatura é uma arte e como tal, quem a escreve tem de dominar a linguagem e as técnicas de escrita e quando se é pequeno, esse domínio ainda não existe.
Ex.: A Criança e a Vida, Maria Rosa Colaço

3. Literatura que tem por tema a infância.

4. Literatura que não tendo sido criada para as crianças, sempre foi escutada por elas.
Era uma literatura oral, tradicional ou popular que a criança sempre escutou e que, nos nossos dias, foi herdada por ela, havendo adaptações consoante os países, as regiões, as diversas culturas.
Ex.: Contos tradicionais, rimas, lengalengas, trava-línguas.

O Cuquedo








uma foto por dia #021


É um dos livros favoritos dos meus alunos. Requisitam este livro vezes e vezes sem conta. Este ano, já contei esta história três vezes.

Não sabem o que é um Cuquedo? Leiam o livro e descubram...

Andava uma manada de Hipopótamos,
de para e de para ,
quando apareceu uma Zebra e disse:

ALTO LÁ!
Podem dizer-me o que andam vocês, Hipopótamos, a fazer,
de para e de para ?

- Ai, tu não sabes!? – gritaram os Hipopótamos entre dentes.
- Chegou à selva o Cuquedo!
E quem é o Cuquedo? – perguntou a Zebra.
- O Cuquedo é muito assustador, prega sustos a quem estiver parado no mesmo lugar.
(...)

Zezé





(...)

Até agora aquela música me dava uma tristeza que eu não sabia compreender.
Totoca me deu um puxão. Eu acordei.
- Que é que você tem, Zezé?
- Nada. Tava cantando.
- Cantando?
- É.
- Então eu devo estar ficando surdo.

Será que ele não sabia que se podia cantar para dentro? Fiquei calado. Se não sabia eu não ensinava.

(...)


Jose Mauro de Vasconcelos
in O Meu Pé de Laranja Lima, Melhoramentos, São Paulo, 1986.



Para crianças a partir dos 9 anos.

...

(...) Hoje, mais do que nunca, um leitor forma-se desde o berço. Qualquer criança tem condições mais favoráveis para reconhecer a importância da leitura e adquirir o gosto de ler, se vive num ambiente onde o recurso ao livro entrou, com naturalidade, no conjunto dos hábitos quotidianos. A escola não pode, por isso, alhear-se do papel fundamental que lhe cabe neste domínio, nem procurar álibis cómodos nessa espécie de sedutora utopia pedagógica (...)

José António Gomes
in Da Nascente à Voz - contributos para uma pedagogia da leitura, Caminho, Lisboa, 1996.

O bebé

#013

O Bebé, Fran Manushkin, Sá da Costa, Lisboa, 1981.

Um livro ilustrado a tinta-da-china com uma história feita de beijos.

A partir dos 3/4 anos.

Regresso aunciado

É verdade. Tenho andado desaparecida, demasiado desaparecida deste mundo dos livros infantis.
Voltei, de vez.

O sapo e o Canto do Melro



O Sapo e o Canto do Melro, Max Velthuijs, Caminho, 1997.

Tal como em toda a colecção do Sapo, este livro também é um álbum repleto de cor. Desenhos simples, um narrativa pouco extensa, um vocabulário cuidado e indicado para uma faixa etária dos 3 aos 8 anos.

O tema - a morte. E a vida que continua no caminho daqueles que ficam.